O vento

Está ventando muito aqui agora
Chega a me incomodar
Mas não vou embora
Deixo o vento você, de mim, levar

E por isto todo esse barulho:
Gritos que deveriam ser sussurros...
Mas tudo bem, uma hora vai cessar

26 comentários:

  1. Parece que você escreveu pra mim! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  2. Com o vento a calmaria vem, e tudo fica em silêncio! Grande Poeta!

    ResponderExcluir
  3. Sentir a calmaria,
    O estado de equilibrio
    da consciencia poética.
    Fluir o compromisso
    da inspiração leve...

    abraç

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto de vento que bagunça os cabelos, seca as lágrimas, arrepia a pele...parece que sempre tem alguma lembrança que renasce com o vento, né?

    Beijos, vou acompanhar.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  5. ''Deixo o vento você, de mim, levar''
    gostei muito.
    você se supera a cada vez mais

    ResponderExcluir
  6. Eu amei, August. Em especial a parte sobre gritos que deveriam ser sussurros. Muito bom, como sempre!

    ResponderExcluir
  7. Olá poeta... gosto de poesias assim.... no fim do poema a hora ficou sem tempo marcado e o vento uivante seguirá seu rumo e tua poesia ficará no coração fazendo barulho!

    ResponderExcluir
  8. Augusto,
    Vou falar mais uma vez:
    Você tem um talento sem igual!!
    Adoro passar por aqui, sempre me traz boas energias!!!
    Parabéns mais uma vez!!!!

    ResponderExcluir
  9. E eu adoro o que você escreve!

    Poesia leve, um calmante para mim (creio que já falei isso antes...)

    Barulhos que os ventos trazem ou barulhos que de ti saem?

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Como escreves bem, Augusto.
    Passiei pelos seus poemas e cada um mais belo que outro.
    Também gostei daqui, e muito.
    Sigo-te...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Que o vento traga coisa muito boa...
    :)

    ResponderExcluir
  12. "Mas tudo bem, uma hora vai cessar"... vc traduz td numa simples frase.... adoro seu trabalho parabéns

    ResponderExcluir
  13. Muito bacana... lembrei de uma música da Calcanhotto:

    "Tenho por princípios nunca fechar portas
    Mas como mantê-las abertas o tempo todo
    Se em certos dias o vento quer derrubar tudo?"

    ResponderExcluir
  14. Linda poesia, Augusto.
    Densa e sincera. Parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Cara essa poesia é muito foda!!!
    no dia que eu estiver escrevendo assim, vou me considerar poeta... um dia ainda chego lá

    ResponderExcluir
  16. Maria Rachel B.Carvalho27 de abril de 2011 13:51

    Adorei....simples e delicada! Beijocas

    ResponderExcluir
  17. Simples, mas ainda assim muito bom.


    http://carlosrodrig.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Poderá ser preciso clicar mais de uma vez no botão "Postar comentário" para que o seu comentário seja enviado com sucesso. Obrigado pelo comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...